sexta-feira, agosto 22, 2008

Celulite: eles não gostam?!

“Todos os dias, ao sair de casa, dou de caras com um anúncio que me deixa logo mal disposta até aí às três da tarde. É da clínica Persona e tem esta brilhante tirada publicitária:




É que, de facto, era este o argumento que me faltava para eu pôr fim à celulite que se instalou no meu rabo sem qualquer espécie de permissão. Eu até gosto de ter celulite, adoro! Faço os possíveis por ter sempre mais e mais... ah, mas espera lá, se os homens não gostam, então eu vou já pagar um tratamento de 3.000 € na Persona para ficar sem celulite!!

A sério, senhores que fizeram esta campanha, acham mesmo que este tipo de terror psicológico barato faz efeito numa mulher??? Se o anúncio dissesse “Mulheres com celulite não entram na Zara”, aí sim, era ver-me a correr para a Persona, primeiras, primeiras! Agora, “vejam lá se tratam disso que os homens não gostam”, temos pena, mas não pega!

Se formos a ver, também há muita coisa que as gajas não gostam e nem por isso espalhamos outdoors gigantescos pela cidade. Sim, porque senão já estou a imaginar os possíveis anúncios:

- ELAS não gostam de pilas pequenas;

- ELAS não gostam de pêlos a mais;

- ELAS não gostam do resultado de “campeonato nacional+liga dos campeões+taça uefa+taça de Portugal”;

- ELAS não gostam de sexo oral sofrível e insuficiente;

- ELAS não gostam que cocem os tomates (muito menos em público);

- ELAS não gostam (nem acham sexy) as barrigas de cerveja;

- ELAS não gostam de tampas da sanita levantadas;

- ELAS não gostam de ejaculação precoce;

- ELAS não gostam que cortem as unhas dos pés em cima da mesa da sala;

- ELAS não gostam de mãozinhas sapudas (e pouco hábeis);

- ELAS não gostam das amigas deles e das ex-namoradas, essas, nem falar;

- ELAS não gostam de slips nem de boxers com ursinhos;

- ELAS não gostam de atrasados emocionais!

Se os homens deste País se deparassem com estas publicidades, tentariam resolver algumas das questões apontadas? Não, pois não? Então deixem lá mas é a nossa celulitezinha sossegada e não nos obriguem a andar com uma régua na mala!

Tenho dito…”



(autora lamentavelmente desconhecida)

1 comentário:

Marta Santos disse...

Faça lá o obséquio de citar as suas fontes! :)
Beijo beijo